EXPEDIÇÃO

o
o
Um pequeno graveto seco estalou sob meus pés cansados. Um grilo entoou uma canção antiga, permeou-me intenso o passado. Quando as noites eram brincadeiras de roda e os dias incansáveis expedições ao quintal. Cantinhos misteriosos, imensidão inexplorada com sua fauna minúscula a ser desvendada. Centopéias, cem perninhas sem tropeços, libélulas acrobatas, besouros encouraçados, joaninhas, caracóis e o louva-deus em seu terno camuflado. Das cigarras vinha o fundo musical do meu vasto mundo lúdico, colorido pelas roupas estendidas no varal.
Quando de mim dei conta, continuei minha caminhada. Mas já não tinha os mesmos passos cansados.
O
O

7 comentários:

luma carvalho disse...

saudades, menina!

beijos na alma
com sabor de "voltei ao mundo virtual!"

luciana
luma
lua

Afobório. disse...

muito bom o seu texto.
imaginei uma floresta em forma de desenho animado.
deu para imaginar tudo. eu gostei por que me senti muito confortável.
posso dizer sem medo que fiquei muito feliz com a sua postagem.

sorte e luz.

Cosmunicando disse...

ah que bom que voltou!
e com esse sabor de infância, maravilhoso =)
beijos

Niemarbrasiliainvisivel disse...

Si,

suas estrofes estão diferentes... acho que sua ausência te levou por veredas inovadoras. Gostei muito das imagens e da passagem das roupas no varal... além do som, deu um colorido diferente e movimento ao sonho de seus passos...

quero dizer também: quanto tempo! e o tempo traduzo numa palavra: notícias...

M. A. disse...

Parabéns. Aprecio seus versos.


OBS: O "parabéns" foi pelos bons versos e não pelo fato de eu apreciá-los.

Mara faturi disse...

Oi queri,

que lindo...ludicamente belo;)

*lembrei-me dos poemas do Manoel de Barros ( que eu AMO!!)...
bjo azul*)

CeciLia disse...

Têm leveza, teus versos. Têm. Como uma escrita antiga e seus acentos tão familiares, tem cheiro de casa boa.

Abraço

CeciLia